Início » Blog » Sem categoria » Pesquisa aponta impactos do Coronavírus nas Comunidades Rurais do Bico do Papagaio

Pesquisa aponta impactos do Coronavírus nas Comunidades Rurais do Bico do Papagaio

por Daniela Souza

13 comunidades rurais  de  povoados, projetos de assentamento, acampamentos, territórios quilombolas e áreas coletivas de uso da propriedade, responderam o questionário.

Impossível pensar em alimentação saudável sem o trabalho da produção agroecológica realizado pelas famílias que vivem nas comunidades rurais. Mas, já  pensaram como este trabalho é tão importante para quem vive no campo e na cidade? E, nesse momento de pandemia, como os agricultores camponeses têm sido afetados diretamente e  quais dificuldades essas famílias e comunidades enfrentam?

Para saber dessas e demais informações do que está acontecendo com as famílias agricultoras durante este período de pandemia, moradoras e moradores de três comunidades rurais relataram os desafios encontrados e falaram como o poder público pode contribuir diretamente com os camponeses.

Elizete da Costa Souza é residente do povoado de Juverlândia, município de Sítio Novo. Segundo ela, o impacto da pandemia começou no momento em que as famílias não puderam mais comercializar as produções agroecológicas. “Com a pandemia, as feiras que as pessoas vendiam os produtos fecharam. As escolas que eram um dos principais compradores para a alimentação escolar, também pararam. Mas aos poucos, a gente começou a ver outras possibilidades por meio de parcerias com as organizações”.

A jovem afirma ainda, que atualmente os problemas se expandiram. “Depois de cinco meses, o que a gente vê é boa parte dos moradores não obedecendo as regras de distanciamento social, uso de máscaras e evitar sair de casa. Minha sugestão é que o poder público passe a fiscalizar mais”, ressalta Elizete.

Em meio à pandemia, as famílias comercializam pouco e buscam alternativas junto as organizações para se manterem. (Foto: APA-TO)

Dados sobre impacto da pandemia nas comunidades rurais

A partir de diversos relatos como o de Elizete, a ONG APA-TO propôs e construiu uma metodologia de ação à distância a fim de acompanhar as comunidades rurais e diminuir os impactos gerados com a pandemia.  A primeira iniciativa da organização, foi decidir, a partir de março deste ano, (início do isolamento social em várias cidades brasileiras), de suspender todas as atividades presenciais junto aos agricultores e as agricultoras familiares acompanhados pela entidade, como medida de prevenção ao COVID-19 e, seguindo as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) de evitar viagens e aglomerações.

A segunda iniciativa, foi realizar um levantamento com o intuito de compreender melhor esse impacto e responder, principalmente, as demandas emergenciais surgidas dos agricultores familiares em decorrência da pandemia. Assim, durante o período de 27 de abril a 15 de maio os representantes das comunidades rurais, os jovens do GT das Juventudes Rurais e do Coletivo da Juventude do MST, responderam via whatsApp, os questionários.

13 comunidades rurais  de  povoados, projetos de assentamento, acampamentos, territórios quilombolas e áreas coletivas de uso da propriedade, responderam o questionário. As comunidades que participaram do levantamento  são dos municípios de São Miguel, Sítio Novo, Axixá, Buriti, Carrasco Bonito, Araguatins e Esperantina.

Nessas comunidades vivem 1.198 famílias, 11% são consideradas do grupo de riscos (são idosos e alguns têm doenças crônicas), um total de 132. De modo geral, as famílias possuem necessidades básicas ou carências, a destacar: dificuldade de acesso a produtos de higiene, falta de alimentos, as pessoas que têm algum tipo de doença não possuem acesso aos medicamentos, além de terem dificuldade de comercializar a produção agroecológica e não terem  acesso ao serviço de saúde.

Os dados do levantamento constataram que neste momento, a maioria das comunidades explica que a produção da safra suprirá no máximo até setembro e, “se preocupam pelo fato de não estarem comercializando a produção em função do fechamento dos mercados institucionais e a suspensão das feiras”, destaca o relatório sistematizado da APA-TO.

O terceiro dado relevante desse questionário, é que 66% das comunidades expõem como um dos grandes desafios, é conter a entrada de pessoas das cidades para usufruir espaços de lazer e de bares nas comunidades. Algo que provoca aglomerações e expõe às famílias rurais aos riscos de contaminação do Covid-19.  Situação destacada por uma das moradoras.

A agricultora de um dos povoados relata que  “nessa pandemia o que mais tem ocorrido é que famílias de cidades vizinhas vêm passar o fim de semana no nosso povoado. A única ação que há da prefeitura é um carro de som que avisa que vai multar quem fizer aglomeração. Mas não há fiscalização e a população também não obedece. Minha sugestão é que tenha fiscalização mais severa”, relata a moradora do povoado de Esperantina.

As comunidades sempre procuraram resistir por meio de manifestações. Nesta pandemia, atos como este não ocorrem mais. (Arquivo – APA-TO)

Inseguranças nas comunidades

Outros fatores de insegurança mais citados: A chegada na comunidade de pessoas de outros estados ou cidades que tenham casos de Covid-19; precariedade das estradas; escassez de água que não permite uma higienização adequada; ausência da visita dos agentes de saúde; dificuldade de conseguir acesso às consultas médicas; pouca atenção da Secretaria de Saúde às comunidades; carência de informações e de assistência dos gestores públicos.

A liderança jovem e um dos responsáveis por aplicar o questionário na comunidade, Antonio Ly, também morador do Projeto de Assentamento Canaã, município de Buriti, expôs a sua percepção após a aplicação do questionário. “O que eu pude perceber é que as famílias têm muitas desconfianças com os poucos insumos de testes que foram disponibilizados para a comunidade. Percebo que além disso, é precária a situação como é feita os testes, pois demora muito sair o resultado. Demora cerca de 10 dias para fazer o exame”, afirma.

O jovem reforça ainda, algo percebido no resultado do levantamento do questionário, que a demora em fazer o exame e os poucos testes disponibilizados às comunidades rurais, também é um dos desafios enfrentados nessa pandemia pelos agricultores. Para ele, as medidas de afrouxamento do isolamento social e o constante aumento de casos de Covid-19 no Tocantins demonstram que as famílias rurais permanecem em uma situação de vulnerabilidade social e com mais possibilidade de contrair a doença.

Além de todas as problemáticas sociais, as famílias não tem infraestrutura e se locomovem com dificuldades devido as péssimas condições das vicinais. (Foto: APA-TO)

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies