Início » Blog » Sem categoria » Gêmeas, negras e acima dos 30: conheça as maranhenses que quebram tabus da moda

Gêmeas, negras e acima dos 30: conheça as maranhenses que quebram tabus da moda

por Daniela Souza
Yacy e Yara Sá falam iniciação na moda, representatividade e mudança de profissão depois dos 30

las já tinham 30 anos, tudo se encaminhava para uma ser nutricionista e a outra cientista computacional. De repente, o Maranhão descobre Yacy e Yara Sá na capa da Marie Claire, uma das mais conceituadas revistas femininas do país. Ao G1, as gêmeas nascidas em São Luís contaram que não foi tão de repente assim que a história na moda começou.

“Quando a gente ainda era pequena, o fato de sermos gêmeas já chamava atenção. Falavam para a nossa mãe procurar agências de modelo, mas nós nunca fomos aceitas”, explicou Yara, ressaltando que o fato das irmãs ajudarem a mãe costureira sempre as manteve perto do universo fashion. Atualmente, as gêmeas trabalham profissionalmente como modelos há cerca de um ano e meio.

Ensaio da fotógrafa maranhense Mylena Saza (à esquerda e centro) e gêmeas na capa da Marie Claire (à direita). (Foto: Mylena Saza / Divulgação / Marie Claire)

Yara conta que a falta de representatividade racial nas revistas retardou a busca daquele que, de tanto os amigos e familiares insistirem, já tinha virado um sonho. “Até as modelos negras da época tinham um padrão bem europeu. Lábios, nariz com traços finos, cabelo liso, e a gente não achava que tínhamos essas características que eram consideradas o padrão na época. Isso fez a gente buscar um caminho profissional mais seguro “, contou.

Para as irmãs, apenas nessa década a bandeira da representatividade negra começou a ser abraçada pelas publicações de moda. Mas as irmãs não desistiram. Durante esse tempo, o interesse de Yacy e Yara pela carreira cresceu, mas o limitado mercado maranhense não permitiria que se desenvolvessem. Compraram, então, uma passagem para São Paulo.

“Orientaram que, enquanto estivéssemos em São Luís, que produzíssemos um material de portfólio. Recebemos um convite de uma fotógrafa maranhense e esse se tornou um ensaio que nós temos muito orgulho. A equipe inteira é maranhense e quando chegamos com esse material para São Paulo, tínhamos um portfólio muito bom”, enfatizou Yara.

Foto: Lucas Vieira/G1

Dado o primeiro passo, a ótima aceitação do mercado com as irmãs Sá trouxe excelentes frutos. Em alguns meses, elas conquistaram trabalhos importantes como ensaios nas revistas Vogue Noivas, Glamour e até a capa da Marie Clair. Além disso, tiveram o trabalho comentado nas redes sociais por famosos como Glória Maria e Camila Pitanga.

Tudo isso, aos 34 anos de idade. É de conhecimento comum que a idade é um dos maiores tabus no mercado editorial, mas Yara reconhece que a genética as favoreceu por parecerem bem mais jovens e Yacy comemora que, hoje, as publicações estejam mais abertas que anos atrás. “É bem verdade que, geralmente, as modelos precisam começar muito mais novas. À princípio, essa questão da idade foi vista como algo pouco favorável, mas hoje os perfis estão mais diversos, a moda e a publicidade dão mais espaço, tanto no mercado feminino ou masculino”, ressaltou Yacy.

Depois de superar algumas das barreiras sociais e geográficas, as gêmeas seguem à todo vapor fotografando tanto no mercado fashion quanto comercial. Tabu para uns, experiência para elas. “Não existe idade para sonhar. A gente também veio para quebrar com esses dilemas de juventude eternana moda. Você pode querer mudar de profissão depois dos 30 anos. Muita gente acredita que essa é a idade do sucesso, da estabilidade, mas para nós foi a idade da mudança”, conclui Yacy.


Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies