Início » Blog » Especiais » Andanças e (re) encontros para além da pesquisa científica

Andanças e (re) encontros para além da pesquisa científica

por Érica Souza

Quando iniciei a pesquisa da dissertação em fevereiro de 2019, me preparei para primeira viagem de campo uma semana antes porque tinha que conciliar a pesquisa com o meu trabalho em uma escola privada na cidade de Açailândia-MA. Durante este percurso de ir à campo, percebi a enorme oportunidade de aprofundar laços com pessoas (principalmente as mulheres) já conhecidas e criar novos afetos pelos caminhos.

Foram andanças que me conectaram as comunidades, suas teorias e gramáticas, reforçar os antigos afetos e se abrir para a construção dos que estavam por vir. Estradas e trilhos que me direcionaram aos territórios e seus saberes que desconhecia e hoje fazem parte desse entrelaçado que me permito chamar de eu.

As primeiras visitas foram na cidade de Santa Rita e Itapecuru-Mirim para conversar com ‘Machado’ – liderança quilombola da comunidade Santa Rosa dos Pretos, e a ‘Margarida’ pescadora e liderança da comunidade Sítio do Meio dois (os nomes são fictícios e foram escolhidos por elas por questões de segurança).

Durante o trabalho de campo exploratório percebi alguns elementos relevantes para a entender de forma minuciosa os conflitos da região. Dentre eles, como as mulheres se auto organizam em meio aos inúmeros conflitos socioambientais. Em todas as entrevistas e conversas, com as lideranças-femininas por onde pude transitar, existia uma revolta em relação as grandes empresas e seus mega projetos de desenvolvimento especificamente no setor da mineração, que não trazem benefícios para as comunidades.

Depois de uma longa conversa com Margarida ela repetiu algumas frases como “desenvolvimento pra quem?!”, “é da terra que tiramos nosso sustento!”.  Apesar dos impactos tão graves na vida dessas comunidades, e de uma forma singular na rotina dessas mulheres, as lideranças-femininas não fazem parte do coletivo chamado de “Vozes silenciadas”.

Ah! Digo entre aspas, pois a expressão da dependência que traz essa voz silenciada não retrata mais a luta por garantia de direitos dessas mulheres lideranças, suas vozes ecoam longe, provocam, incomodam, angustia e como diz o grito de resistência das Mulheres Negras Latino Americanas e Caribenhas: “As mulheres são como as águas, crescem quando se juntam”. Ou seja, é preciso pensar as formas de organização como rede que fortifica e ecoa os laços de resistência desde os territórios e como direito a ser conquistado e garantido, dia a dia, é a convocação posta.

Você também pode gostar

1 comentário

Pedro Arthur Silva Figueiredo 7 de setembro de 2020 - 11:31

Incrível como a mulher tem o dom de ser grandiosa. Ela luta, persiste, não abaixa a cabeça. Devemos muito a cada mulher que passa em nossas vidas. Eu desejo muito que um dia, a força da mulher seja respeitada e reconhecida.

Responder

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies