Início » Blog » Especiais » Precisamos falar sobre solidão

Precisamos falar sobre solidão

por Lilia Sampaio

Foto destacada: Site Psicologia Berrini

O isolamento social tem efeitos sobre o psiquismo humano, pois traz um enorme custo emocional para o sujeito. Dito isso, é possível se pensar sobre as possibilidades de implicações psíquicas após tantos dias de privação social?

Em tempos de pandemia, a ordem é ficar isolado, porém existem várias formas de se viver este período. Há pessoas que estão acompanhadas, outras sozinhas, algumas não podem sequer se isolar … cada caso é um caso. A pergunta que se faz é se estar acompanhado evita a solidão. E mais ainda, estar sozinho significa estar solitário?

A solidão não é propriamente um conceito na obra de Freud e Lacan, no entanto, entendemos que há uma série de conceitos fundamentais que se articulam ao tema solidão e que podem contribuir nesta temática.

A solidão é singular de cada sujeito e se distingue pelas diversas modalidades de se estar no mundo e nada tem a ver com o que se considera as ideias atuais do “ser sem solidão”, do “ser popular”, do “ser independente e com elevada autoestima”, entre outras.

Segundo Freud, a pessoa isolada age de modo próprio, pois não está exposta ao efeito de sugestão de quando está em um grupo. Fascinada pela influência das multidões, o dito do outro adquire para ela efeito hipnótico.

Em um dos poucos momentos que Freud fala diretamente da solidão, ele afirma que as grandes decisões no domínio do pensamento e as descobertas que envolveriam a trabalho intelectual “só são possíveis ao indivíduo que trabalha em solidão” (Psicologia de grupo e análise do eu, 1921, pp. 94). Porém, neste ponto, trata-se de uma escolha do sujeito por estar só e pouco tem a ver com o imperativo social em que estamos vivendo nesta quarentena.

A solidão não é simples privação da ausência do outro, pois ela atualiza e renova as ausências e presenças que marcaram a vida do sujeito. O sentimento de solidão supõe que poderia haver uma presença aonde algo se ausenta. Além disso, há a frustração que a ausência envolve, pois na solidão é angustiante a possibilidade de não contar com a presença do outro.

A solidão é um sofrimento humano fundamental do qual não se escapa. O estar só traz à tona a possibilidade de se confrontar com situações que não gostaríamos, a exemplo de suportar a nossa própria companhia e principalmente, olharmos os nossos próprios desejos de frente.

Diante desse impasse, do qual todos estamos submetidos, qual a sua invenção para lidar com a sua solidão?

Lília Maria Sampaio (CRP 03-7558)

Outros textos da Lília:

Lília te indica ‘Torto Arado’, de Itamar Vieira Junior, Ed. Todavia

Empuxo ao consumo

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies