Início » Blog » Especiais » Crescer dói

Crescer dói

por Mulheres para se ler
CARTA BRANCA A LYGIA FAGUNDES TELLES - Cinemateca Brasileira
Um dos aspectos mais marcantes de Lygia Fagundes Telles é o confronto entre a infância e o mundo adulto (Reprodução)

Busca por pertencimento e amadurecimento.

Um dos aspectos mais marcantes dos escritos de Lygia Fagundes Telles é o confronto entre a infância e o mundo adulto. Em crônicas como “Dezembro no bairro” e “O menino” crescer e perceber o mundo realmente dói. 

A partir de suas narrativas psicológicas, Lygia nos coloca na cabeça de uma personagem, fazendo pensar com sua lógica, sentir por ela e com ela. A sensação é de estar partilhando sentimentos muito íntimos. 

Em Ciranda de Pedra, seu primeiro romance, Virgínia, a protagonista, não escapa ao processo. A menina Virgínia é uma criança nos anos 1920 tentando montar o quebra-cabeça da vida adulta. 

Ler(-te): Ciranda de Pedra (Lygia Fagundes Telles)
O livro é a primeira obra de Lygia Fagundes Telles (Reprodução)

Loucura, amor, casamento, traição, julgamento. O que é ser parte de uma família ou de um grupo? Eu pertenço a algum lugar? São questões que rondam seus pensamentos enquanto ela cresce. 

Estar na cabeça de Virgínia através das palavras de Lygia é acompanhar o processo sempre doloroso da passagem da inocência para a maturidade. É também trilhar o caminho das perguntas e descobrir com ela as respostas. Respostas que parecem demorar, mas que quando vêm para ela também parecem um pouco nossas. 

Um atestado incontestável da maestria de Lygia com as palavras.  “[…] ao menos isto eu quero, já que é preciso aceitar a vida, que seja então corajosamente.”. (Ciranda de Pedra, p.1990).

Bianca Zaene

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Política de Privacidade e Cookies